Pular para o conteúdo principal

Hospital Dr. Célio de Castro inaugura dez leitos de saúde mental

04/06/2018 | 15:34 | atualizado em 14/06/2018 | 16:50
O Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC) inaugura em junho 10 leitos de saúde mental em mais uma iniciativa inovadora da Política de Saúde Mental de Belo Horizonte e inédita na Rede SUS-BH. “Na perspectiva da integralidade, o nosso objetivo é promover a continuidade do cuidado oferecido nos Centros de Referência em Saúde Mental (CERSAMs) de Belo Horizonte para pacientes com sofrimento mental e com problemas clínicos associados” afirma a diretora Assistencial, de Ensino de Pesquisa do HMDCC, Yara Ribeiro. 
 
Diretora executiva do hospital, Maria do Carmo explica que o atendimento será exclusivamente para casos cuja resolução exigir aparato tecnológico e/ou especialistas que não atendem nos CERSAMs. “São casos como intoxicações e manifestações graves de abstinência por uso de álcool e outras drogas, ou ainda por serem portadores de outras patologias clínicas ou cirúrgicas associadas ao sofrimento mental que exigem intervenção em um hospital geral”, exemplifica. 
 
"A nossa proposta é que todo o Hospital saiba fazer o acolhimento ao paciente com sofrimento mental ou com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas. Para isso, faremos uma capacitação em saúde mental dos nossos profissionais para ampliar o olhar da equipe, desestigmatizar a percepção sobre esses pacientes e melhorar a qualidade da atenção”, explica a Yara Ribeiro. 


Psiquiatria de consultoria e ligação

Para isso, o Hospital Célio de Castro já conta com profissionais para compor a equipe multidisciplinar para a atenção a esses pacientes. A médica psiquiatra Christiane Ribeiro desempenhará a função de psiquiatra de consultoria e ligação. “Nesse modelo, o psiquiatra não entra na equipe de profissionais como assistência propriamente dita, mas para aconselhar esses profissionais sobre a conduta que deve ser adotada com pacientes com transtornos psiquiátricos”, explica Christiane Ribeiro. Dessa forma, trata-se de um modelo descentralizado em que o princípio é orientar a equipe nas condutas psiquiátricas o que, a longo prazo, significa ter um corpo clínico qualificado para o atendimento ao paciente com sofrimento mental.


Implantação

Desde o início de maio, Christiane Ribeiro atua na função de psiquiatra de consultoria e ligação nos casos de pacientes que já estavam internados no Hospital Célio de Castro e que apresentam sofrimento mental ou situação de abstinência. Nessa primeira fase para a implantação dos dez leitos de saúde mental em enfermaria geral, a equipe composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, terapeuta ocupacional, psicólogo, fonoaudiólogo, assistente social e fisioterapeuta já começou a ser capacitada para receber esse perfil de pacientes. 

A segunda fase é a abertura dos dez leitos de saúde mental em junho. Para esse trabalho, o HMDCC contará também com dois residentes em psiquiatria do Hospital Metropolitano Odilon Behrens. 
 

Pacientes regulados

O acesso dos pacientes aos leitos de saúde mental do Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro será regulado pela Coordenação Municipal de Saúde Mental e pela Central de Internação da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA-BH) dentro da lógica de referência e contrarreferência. Ou seja, através da troca de informações entre os diferentes níveis de atenção (CERSAM, Hospital e Centro de Saúde) permite-se a criação de um ambiente favorável à abordagem do paciente como um todo. 


Rede de Atenção Psicossocial 

A iniciativa atende à política de Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) do Ministério da Saúde, instituída pela Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011 que inclui como pontos de atenção da RAPS o Serviço Hospitalar de Referência para a atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas. A iniciativa segue a lógica antimanicomial e a construção de ações coletivas e intersetoriais que valorizem o cuidado em liberdade, busca a conquista da cidadania e a reinserção social.

A RAPS habilita hospitais gerais, Maternidades e Hospitais de Pediatria para oferta de leitos de saúde mental. O principal objetivo deste ponto de atenção é oferecer cuidado hospitalar para pessoas com transtornos mentais e/ou com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas para avaliação diagnóstica e o manejo de situações de crise e/ou vulnerabilidade extrema que apresentem risco de vida para o usuário.

A política prevê que o acesso deve ser regulado a partir de critérios clínicos e as internações devem ser de curta duração, priorizando a superação da lógica asilar realizada pelos Hospitais Psiquiátricos.
 
 

04/06/2018. Em iniciativa inédita no SUS-BH, Hospital Célio de Castro vai inaugurar dez leitos de saúde mental. Fotos: PBH/Divulgação

Últimas Notícias

Parque Municipal visto do alto com destaque para o lago Parque mais antigo de BH completa 121 anos na próxima semana

naugurado antes mesmo da então nova capital mineira o Parque foi criado para ser o maior e mais bonito parque urbano da América Latina.

20/09/2018 | 21:15
Fachada do BHResolve Decort-BH ganha atendimento especial no BH Resolve, nos dias 27 e 28 deste mês

Recém-criado pela PBH, o Decort-BH é o canal de para que as empresas da capital possam acessar com rapidez e segurança suas notificações.

19/09/2018 | 18:18