Pular para o conteúdo principal

Duas idosas dançam de mãos dadas, olhando uma para a outra, no fundo, mais de oito pares de idosos repetem o gesto.
Foto: Andréa Moreira/PBH

Grupo de Dança Sênior promove bem-estar e melhora autoestima da pessoa idosa

26/12/2018 | 13:43 | atualizado em 26/12/2018 | 13:47
Quebra o ovo e lança a casca fora. Mistura, amassa e polvilha o queijo ralado. Parece a receita de uma torta, mas na verdade são os movimentos feitos durante uma das aulas de Dança Sênior, uma atividade voltada para pessoas idosas e portadores de limitações físicas, que traz vários benefícios para quem pratica. Na região da Pampulha, a atividade é ofertada nos centros de saúde Santa Terezinha e Ouro Preto, por meio do Núcleo Ampliado de Saúde da Família da Prefeitura de Belo Horizonte.


A dança sênior junta movimentos simples e ritmados por músicas do folclore de diversas culturas. Estimula a atenção, ritmo, memória e maior reconhecimento do esquema corporal, além de ser oportunidade de socialização. Os participantes podem praticar sentados ou de pé, de forma rápida ou lenta, usando ou não acessórios, em círculos, em duplas, pequenos grupos ou individualmente. O mais importante é se divertir e trabalhar o corpo e a mente.


Aos 91 anos, Domingas Júlia Pastana Pinheiro pratica a atividade há cinco anos. As aulas acontecem uma vez por semana em um amplo salão no Centro Catequético da Paróquia Santa Terezinha, parceiro do Centro de Saúde Santa Terezinha. Para Domingas, a prática trouxe muitos benefícios. “Não sinto dor em canto nenhum do corpo. Tenho amigas até mais jovens que eu, mas são desanimadas e reclamam de dores. Agora eu não, estou sempre disposta”, definiu.  



Benefícios para o corpo, mente e a alma

A prática da Dança Sênior traz importantes benefícios para quem pratica regularmente: melhora a força muscular, a postura e a coordenação motora; aumenta a flexibilidade; promove bem-estar físico e mental e um sono mais reparador, como apontam os instrutores do exercício. Como consequência, o idoso tem mais vontade de viver, pois encontra algo prazeroso de fazer.


Elza Joana Garbin Silva, 69 anos, frequenta o grupo há quatro anos e é um exemplo. “Depois que comecei a fazer as aulas, controlou a diabetes, abaixou a glicemia, emagreci e o médico até reduziu a medicação”, contou, orgulhosa dos resultados.

 
Formanda no curso de Fisioterapia da UFMG, Juliana Abreu Albuquerque, 28 anos, estagiou durante seis meses acompanhando as aulas de Dança Sênior e considera que a prática traz ótimos resultados. “É uma forma dos idosos saírem de casa e de fazerem atividade física. É também uma oportunidade de interação e que favorece a condição física”, considera.   

    
Com 60 anos, Valdeci Nascimento Silva é uma das participantes mais jovens do grupo. Além da Dança Sênior, ela frequenta também as aulas de Lian Gong. “Estou aqui há quatro anos. É tudo de bom. Faz bem pra mente e para o corpo. Até a depressão está mais controlada”, disse. 


No grupo há pouco mais de um ano, Maria Rodrigues de Souza, 84 anos, também relatou as vantagens da atividade.  “Eu e Domingas participamos juntas. É bom demais. Somos vizinhas e amigas e sempre viemos juntas. Distraio tanto!”, afirmou. Já o casal Miguel Martins Filho, 82 anos, e Joana Emídia Rosa, 75 anos, participou pela primeira vez. “Vim por indicação médica porque tenho uma prótese no joelho. Achei muito bom e pretendo voltar”, disse a esposa.      

   
A fisioterapeuta do Núcleo Ampliado de Saúde da Família Pampulha, Fabiana Melo Martins Accorinte, explicou que a Dança Sênior é uma atividade prazerosa que busca a promoção e prevenção da saúde do ponto de vista físico e psíquico. “Além de trabalhar o sistema musculoesquelético e cardiovascular, promove uma grande socialização e bem-estar aos participantes. Adoro trabalhar com idosos e me encontrei na Dança Sênior”, afirmou. 



Núcleos Ampliados de Saúde da Família 

Os Núcleos Ampliados de Saúde da Família da Prefeitura de Belo Horizonte são equipes multiprofissionais que atuam de forma integrada, apoiando os profissionais da Atenção Primária para ampliar a abrangência e resolubilidade das ações.  A atuação do Núcleo visa à integralidade do cuidado com os usuários. Atualmente a Regional de Saúde Pampulha conta com sete equipes para atender a população dos 14 Centros de Saúde do território. Algumas das atividades desenvolvidas no âmbito coletivo são a formação de grupos de apoio nos centros de saúde como os de puericultura, linguagem, atividade física, obesidade, alimentação saudável, hipertensos e diabéticos, cessação do tabagismo, prevenção de quedas, mães, dor crônica, Dança Sênior e Lian Gong.

 

 

26/12/2018. NASF-Pampulha-Dança Sênior. Fotos: Andréa Moreira/PBH