Pular para o conteúdo principal

Feira de economia solidária e produtiva é inaugurada pela PBH e TJ

06/05/2019 | 19:46 | atualizado em 09/05/2019 | 11:27

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio das secretarias municipais de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania e de Desenvolvimento Econômico, e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais deram início, nesta segunda-feira, dia 6, à Feira de Artesanato, Alimentação e Confecção. A iniciativa é uma parceria das duas instituições com o objetivo de promover a inclusão social e produtiva na cidade.

 

A abertura da feira foi no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, na avenida Afonso Pena, 4001, Serra. Amanhã, dia 7, a feira vai funcionar no Fórum Lafayette (avenida Augusto de Lima, 1549, Barro Preto) e, na quarta-feira, dia 8, no Fórum Raja Gabaglia (avenida Raja Gabaglia, 1753, Luxemburgo). A parceria firmada prevê o funcionamento mensal da feira nos três locais.

 

O prefeito Alexandre Kalil visitou o espaço, acompanhado do presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Nelson Missias de Moraes, da secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Maíra Colares, e do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Claudio Beato. Na ocasião, o prefeito destacou a importância das parcerias com outras instituições. "Queremos parceiros que têm interesse na área social. Toda vez que a gente vem aqui solicitar parcerias, eles são os primeiros a aceitar, por isso fiz questão de vir aqui com o presidente Nelson Missias para mostrar precisamos prestigiar atividades desse tipo”, afirmou.

 

A feira é formada por artesãos e empreendedores da alimentação e confecção do Programa Espaço da Cidadania (PEC), da Subsecretaria de Direito e Cidadania, vinculada à Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, e do Centro Público de Economia Solidária (Cepes), da Subsecretaria de Trabalho e Emprego da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. A feira vai reunir 20 grupos do Espaço da Cidadania e 20 grupos do Centro Público de Economia Solidária.

 

A secretária Maíra Colares destacou que a feira não é só uma oportunidade de complementar a renda dos grupos participantes, mas também de estimular o empreendedorismo e possibilitar o empoderamento econômico dos expositores. “Uma de nossas preocupações é com a promoção da cidadania e com a inclusão produtiva e efetiva desses feirantes”, afirmou. A Feira Espaço da Cidadania conta com cerca de 150 barracas e é realizada às sextas-feiras, das 8h às 17h, na avenida Bernardo Monteiro.

 

A importância do Centro Público de Economia Solidária da Prefeitura de Belo Horizonte foi salientado pelo secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Beato. Ele assinalou que os 250 grupos cadastrados e ativos beneficiam 750 famílias com geração de emprego e renda. Para o secretário, a parceria com o Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais vai permitir um incremento na renda dessas famílias e também a divulgação de seus produtos e trabalhos.

 

 

Programa Espaço da Cidadania (PEC)

O Programa Espaço da Cidadania (PEC) é desenvolvido pela Subsecretaria de Direito e Cidadania e tem como foco principal a formação, promoção e socialização de segmentos da sociedade civil atendidos pela Subsecretaria de Direito e Cidadania: população idosa, pessoas com deficiência, mulheres, grupos étnico-raciais, jovens e LGBT. O PEC tem também como foco a vulnerabilidade social, buscando a inclusão social e produtiva do público-alvo. Entre as ações realizadas pelo programa estão as feiras, como a que está sendo desenvolvida em parceria com o Tribunal de Justiça, que têm como objetivo comercializar produtos artesanais, manuais e semi-industrializados para oportunizar renda para os públicos atendidos.

 

 

Cepes

O Centro Público de Economia Solidária (Cepes) da Subsecretaria de Trabalho e Emprego da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico tem como objetivo promover o fortalecimento e a divulgação da economia solidária, mediante políticas integradas, visando a geração de trabalho e renda, a inclusão social e a promoção do desenvolvimento justo e solidário. Baseados nos princípios de autogestão, cooperação e solidariedade, os grupos estimulam a formação de redes de relações sociais que reduzam a dependência do mercado. A Prefeitura de Belo Horizonte trabalha para fortalecer o movimento de economia solidária através de capacitações e apoio na busca de espaços de comercialização dos produtos.

 

O Cepes conta com 250 grupos cadastrados e ativos na capital, beneficiando 750 famílias. Os grupos produzem desde peças decorativas em madeira, bijuterias e acessórios recicláveis, a kits para banheiros, roupas infantis, biscoitos, doces, compotas, entre outros. A Economia Popular Solidária (EPS) é formada por organizações econômicas coletivas e suprafamiliares, compostas de, pelo menos, três trabalhadores urbanos ou rurais.

Ouça este conteúdo

Últimas Notícias

Fachada da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, durante o dia. PBH seleciona Organização da Sociedade Civil para ações do Circuito de Cultura

Para realizar ações do Circuito Municipal de Cultura, Prefeitura publica edital de seleção de Organização da Sociedade Civil.

16/07/2019 | 20:01
Atlético x Cruzeiro no dia 17/7, às 19h15. Jogo Atlético x Cruzeiro tem operação de transporte no Independência no dia 17/7

A linha especial 9033 começa a operar às 17h, com intervalo de 20 minutos entre as viagens ou de acordo com a demanda de passageiros.

16/07/2019 | 18:36