Pular para o conteúdo principal

Prefeitura planta, em um mês, 1,6 mil mudas de espécies nativas no Parque Fernando Sabino

Em um mês, Prefeitura planta 1,6 mil árvores no Parque Fernando Sabino

criado em 28/02/2022 - atualizado em 28/02/2022 | 15:09

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente concluiu, na semana passada, o plantio de 1,6 mil árvores no Parque Fernando Sabino. A ação, que faz parte do projeto Montes Verdes, foi realizada por meio de compensação ambiental e utilizou cerca de 50 espécies nativas da Mata Atlântica, produzidas na Floresta Nacional de Passa Quatro e no viveiro da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte. 

No total, a etapa de plantio durou um mês e resultou numa área plantada de 6 mil metros quadrados. Foi realizada, prioritariamente, nas encostas íngremes do parque, que no passado eram utilizadas como pastagem e que contam ainda com diversas espécies de capins. Devido à alta declividade do terreno, foram construídas escadarias com madeira e terra batida, para que o acesso às áreas fosse viabilizado.

Desde 2016 o projeto Montes Verdes vem trazendo uma nova cara para o Parque Fernando Sabino, área verde de mais de 180 mil metros quadrados em pleno território urbano de Belo Horizonte, no bairro Paquetá. O solo, antes cenário de incêndios criminosos, foi recebendo gradativamente o plantio de árvores frutíferas e espécies nativas da Mata Atlântica, algumas que se encontravam, inclusive, em extinção. Embora tanto já tenha sido feito, ao menos 60% de sua área ainda necessita de revegetação. 

Nas próximas semanas, as novas árvores receberão serviços de manutenção como roçada e manejo de capim, construção de aceiros, adubação e coroamento. Essa ação acontece periodicamente e, no caso da nova área plantada, será repetida por pelo menos quatro anos para garantir a formação de uma nova floresta urbana. 

O projeto Montes Verdes tem a função de identificar, catalogar, caracterizar e propor planos de revegetação de áreas degradadas da capital. O foco primário do projeto são as áreas públicas municipais, utilizando, para sua execução, recursos humanos existentes na própria Prefeitura, doações e recursos advindos das compensações do licenciamento ambiental. O objetivo é chegar a um modelo que permita induzir e revegetar áreas verdes ou de preservação permanente (APPs) entre outras, de modo eficaz, desburocratizado e a baixo custo para, num futuro próximo, replicá-lo a outras áreas da capital. 

“O Parque Fernando Sabino é um dos maiores patrimônios naturais da nossa cidade. Temos que preservar áreas como essas e expandir iniciativas que fazem com que os espaços verdes de Belo Horizonte sejam protegidos. Este é o foco da nossa política e pra onde está sendo direcionado o nosso estudo”, afirma o secretário Municipal de Meio Ambiente, Mário Werneck.