Pular para o conteúdo principal

Onze membros da Comissão de Internacionalização da Cultura da Prefeitura de BH em reunião.
Foto: Divulgação PBH

Comissão de Internacionalização da Cultura da PBH define novas atribuições

05/11/2018 | 18:35 | atualizado em 05/11/2018 | 18:35

A Secretaria Municipal de Cultura recebeu, na tarde de quinta-feira, 1/11, a primeira reunião da Comissão de Internacionalização da Cultura (CINTER), reformulada este ano. No encontro foi discutido e aprovado o Regimento Interno da Comissão de Internacionalização da Cultura e formado um grupo de trabalho para a formulação do Plano de Internacionalização da Cultura.

 

O regimento aprovado na reunião prevê as atribuições e a composição da Comissão e, em breve, será publicado no Diário Oficial do Município (DOM). Nele, é possível encontrar o compromisso de consonância entre as ações propostas pela CINTER e as diretrizes da política de relações internacionais da Prefeitura de Belo Horizonte e do Plano Municipal de Cultura.

 

A reestruturação da CINTER, contou, principalmente, com a renovação de suas orientações básicas, buscando aprimorar as funções já exercidas e propor novas. Além disso, incluiu o objetivo de promover a integração de todo o sistema de cultura da Prefeitura de Belo Horizonte, com a participação de todos os diretores da Secretaria e da Fundação Municipal de Cultura. Para a representante da Gerência de Monitoramento e Gestão do Patrimônio Cultural, Bárbara Gabriela, é importante, também, traçar um caminho em direção à intersetorialidade com outros órgãos da PBH.

 

Entre as principais frentes de atuação da CINTER, pode ser destacado o acompanhamento dos tratados internacionais e da presença da cultura belo-horizontina em outros países. A nova estrutura tem a tarefa, também, de construir um Plano de Internacionalização da Cultura do Município e pensar novos projetos e políticas com foco na relação com outros países.  

 

“Belo Horizonte possui uma vasta riqueza cultural, que já atrai muita atenção internacional, mas a questão da circulação ainda é muito restrita. A Comissão vem para potencializar essa circulação e aumentar a presença da nossa cultura no exterior”, avaliou  o diretor de Desenvolvimento e Articulação Institucional e também coordenador da CINTER, Marcelo Bones.

 

O grupo de trabalho para a formulação do Plano de Internacionalização da Cultura foi encaminhado com a participação de Marcelo Bones (Diretoria de Desenvolvimento e Articulação Institucional), Bárbara Gabriela (Gerência de Monitoramento e Gestão do Patrimônio Cultural), Fernanda Vidigal (Diretoria de Políticas Culturais e Participação Social) e Sheila Katz (Diretoria de Museus).