Pular para o conteúdo principal

Nove mulheres vestidas de preto e vermelho fazem apresentação de dança cigana em palco.
Foto: Divulgação PBH

Centro Cultural Pampulha tem oficina que integra outros centros culturais de BH

06/04/2018 | 17:02 | atualizado em 06/04/2018 | 17:03
Os moradores de Belo Horizonte têm à disposição equipamentos culturais diversos. Um desses modelos é a rede de centros culturais presente em todas as regionais da capital, somando 17 unidades. Em cada um deles, uma programação intensa, diversificada e que abrange linguagens múltiplas, como dança, música, teatro e literatura. Tudo isso, em diferentes formatos, entre eles oficinas, seminários, exposições e lançamentos e levando em conta as características de cada região.

 
O Centro Cultural Pampulha, por exemplo, tem como uma das atrações a oficina “Dança Cigana”, em que o espaço é aberto para a comunidade com aulas ministradas por Joana D´Arc Correia de Almeida, 55 anos, moradora do bairro da Urca. Além de ensinar as técnicas da modalidade, ela explica que, na oficina, são estabelecidos laços de convivência entre as participantes.  “A dança cigana traz alegria, une as pessoas e trabalha com o corpo e a mente", salienta. 


As aulas acontecem todas as quartas-feiras, das 14h às 16h. As participantes, cerca de 20 alunas, são moradoras da comunidade, com faixa etária formada por adultas e idosas. De acordo com Joana D’Arc, a oficina capacita as participantes para apresentações, que são realizadas tanto no Centro Cultural Pampulha como também em espaços externos.  



Participação

O gerente do Centro Cultural Pampulha, Ramalho Almeida Júnior, ressalta que a oficina tem uma grande importância para o equipamento, pois é um projeto bem-sucedido que resulta de uma parceria do CCP com a comunidade.  “As ‘Ciganas do CCP’, como chamamos nossas "meninas", já foram chamadas para dançar em vários eventos externos ao Centro Cultural. Além da técnica propriamente dita, a oficina proporcionou um espaço de convivência, de construção de laços entre as frequentadoras, que agregam valores que transcendem a atividade em si”, define. 


Para as participantes, a oferta da oficina no Centro Cultural é muito positiva, pela convivência e pelos benefícios da Dança Cigana, que é “terapia, alegria e saúde”, define a participante Graciângela Patrícia de Souza, 56 anos, moradora do bairro Urca. Já Jacira Marques Borges, 54 anos, do mesmo bairro, aponta os benefícios na melhoria da autoestima. “A dança cigana nos faz acreditar que somos capazes", diz. Aos 70 anos, Hélia Maria da Silva Dias, outra participante e também moradora do bairro, afirma não temer o desafio. "Não importa a idade, o que interessa é a minha capacidade", assegura. 
 


Centro Cultural Pampulha

R. Expedicionário Paulo de Souza, 185, Urca - Tels: (31) 3277-9292 e 3277-9293.

E-mail: ccp.fmc@pbh.gov.br  

Funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 18h - Biblioteca: de terça a sexta, das 9h às 18h; sábados, das 9h às 13h
Ônibus: 4403 A, 4410, 4403 D e S53

 

 

06/03/2018. Oficina de Dança Cigana. Fotos: PBH/Divulgação