Pular para o conteúdo principal

Bloco carnavalesco visto de cima nas ruas de BH

Carnaval é na lata: campanha da Prefeitura preza pela segurança durante a folia

26/02/2019 | 19:17 | atualizado em 24/05/2019 | 16:04

Mesmo com o crescimento de seu público a cada ano, o Carnaval de Belo Horizonte vem apresentando número decrescente de ocorrências, de acordo com dados da Guarda Municipal. E, para manter o clima de segurança na rua, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur, apresenta a campanha de conscientização “Carnaval é na lata”. O intuito é estimular a comercialização de bebidas enlatadas durante o período da folia na capital, evitando acidentes e situações de perigo pelo uso de garrafas ou recipientes de vidro.


A ação é direcionada a ambulantes, comerciantes e aos próprios foliões. No caso dos ambulantes, a proibição de venda de bebidas em garrafas de vidro foi amplamente divulgada durante a entrega das credenciais. Os profissionais que forem flagrados descumprindo a regra terão a mercadoria apreendida, a credencial revogada e, ainda, estarão sujeitos a multa.


“É muito importante que todas as pessoas envolvidas com o Carnaval, de trabalhadores a foliões, entendam o risco que é a comercialização de bebidas em garrafas de vidro. O que queremos é manter a segurança e a alegria nas ruas. Isso sem falar na coleta seletiva, que é mais facilitada com o uso da lata”, ressalta Gilberto Castro, diretor-presidente interino da Belotur.


“O recado que queremos passar é o cuidado com a cidade. Não só com o uso da lata, mas em relação a outros diversos fatores: não fazer xixi na rua, respeitar o horário de dispersão dos blocos, dizer não ao trabalho infantil, entre outros”, completa Castro.


A campanha “Carnaval é na lata” também foi divulgada junto aos bares e restaurantes localizados no percurso dos blocos. O objetivo é fazer com que os comerciantes optem pela lata. “Uma das diretrizes do trabalho da fiscalização é garantir a correta utilização do espaço urbano do município, buscando despertar o espírito de civilidade na população belo-horizontina por meio de ações educativas. Dessa forma, além da afixação de cartazes, ações de orientação e prevenção estão sendo realizadas junto a bares e restaurantes da cidade, para que não comercializem bebidas em recipientes de vidro e churrasco em espetos”, destacou a diretora de Planejamento da Fiscalização, Raquel Guimarães.


Fiscalização no Carnaval


A Subsecretaria de Fiscalização escalou cerca de 250 fiscais da Prefeitura e 270 agentes de campo para trabalhar durante o período de Carnaval, que vai até 10 de março. Esses profissionais vão atuar de forma preventiva e educativa em relação a eventos realizados no logradouro público sem a autorização do município; coibir os ambulantes irregulares e evitar que os credenciados se fixem em um ponto garantindo a circulação deles, de forma a favorecer uma melhor fluidez dos blocos e do trânsito.


Conforme previsto no edital de chamamento público, o ambulante poderá comercializar água e bebidas industrializadas e/ou adereços carnavalescos. Além disso, a atividade é permitida apenas nos ensaios e nos desfiles dos blocos de rua. O ambulante não pode exercer a atividade em locais onde não há concentração ou desfile de bloco de rua.


De acordo com as regras, o credenciado não pode comercializar bebida em garrafas ou outros recipientes de vidro nem vender bebida alcoólica aos menores de 18 anos, sob as penas da legislação. No exercício da atividade, o credenciado deve portar a credencial e o documento de identidade com foto. Em caso de descumprimento, o ambulante poderá perder a credencial, ter os produtos apreendidos e ser autuado no valor de R$ 2.034,18.


O Carnaval de Belo Horizonte 2019 é uma festa realizada pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur, com patrocínio master da Skol, patrocínio da Uber, patrocínio institucional da Do Brasil Projetos e Eventos e parceria da BH Airport.