Pular para o conteúdo principal

Seis idosas fazem oficianas de artesanato.
Foto: Débora Oliveira

BH em Pauta: População idosa participa de oficinas e cursos

19/07/2017 | 16:02 | atualizado em 19/07/2017 | 16:06
As marcas do tempo são evidentes quando se envelhece. Sinais que, à primeira vista, podem demonstrar fraqueza, cansaço e limitação. Porém, este estigma é quebrado quando se trata dos cidadãos que frequentam o Centro de Referência da Pessoa Idosa (CRPI), no bairro Caiçara, região Noroeste de Belo Horizonte. Fundado em 2009, o CRPI oferece, atualmente, 21 cursos voltados para a pessoa idosa, estimulando o envelhecimento saudável e ativo.


Dionéa Silveira tem 76 anos e frequenta o CRPI há quatro anos. Ela conta que já passou por diversas atividades durante esse período e enaltece o trabalho que o centro realiza. “Eu quero ficar aqui 24 horas por dia. Os professores são maravilhosos e pacientes. Todo mundo aqui brinca e se diverte. Os cursos são muito bons, fazem bem para nossa mente e melhoram a nossa autoestima. Aqui é um pedaço do céu”, comenta a aposentada.


Ana Lúcia Pereira de Andrade, 61, é aposentada e frequenta o Centro há cinco anos. Ela relata como o CRPI influencia positivamente no seu dia a dia e proporciona a oportunidade de transformar o conteúdo aprendido no curso de artesanato em fonte de renda. “Aqui é um remédio e uma benção que nós temos. É uma terapia. Os trabalhos de artesanato que faço me fornecem uma fonte de renda bem tranquila. Sempre tenho trabalhos e encomendas. É algo que me realiza.”


Ana Sieiro é professora do curso de artesanato no Centro. Ela conta como as alunas evoluíram na produção das peças e fala da vitalidade que os idosos que frequentam o CRPI demonstram e do bom ambiente que existe no local. “Elas são muito criativas. Aprendem com facilidade. Se eu ensino alguma coisa para elas, elas chegam em casa e fazem meia dúzia. O vigor que essas pessoas têm é fantástico! Todos deveriam vir aqui conhecer porque faz um bem enorme.”


O equipamento é da Secretaria Municipal Adjunta de Direitos de Cidadania (SMADC) e vinculado à Coordenadoria de Direitos da Pessoa Idosa. Podem participar das atividades pessoas idosas de qualquer bairro de Belo Horizonte. Para isso, é necessário comparecer ao CRPI (Rua Perdizes, 336, Caiçara) e fazer um cadastro. Após o cadastramento, a equipe do Centro realiza uma entrevista de acolhimento e encaminha o cidadão para as oficinas escolhidas.


Novas parcerias

Para melhor atender a este público, o equipamento alinha os trabalhos com outras secretarias da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), como explica Leandro Farias, coordenador do CRPI. “As parcerias diretamente estabelecidas são com a Secretaria Municipal de Saúde, que oferta os serviços da Academia da Cidade, a técnica de Lian Gong, além de promover campanhas de vacinação. Também contamos com a Secretaria de Esportes e Lazer, que desenvolve o Programa Vida Ativa, e com a Secretaria Municipal de Educação, por meio da iniciativa Escola para Jovens e Adultos”, diz o coordenador.


Farias esclarece que as obras de ampliação do Centro estão sendo executadas e, quando forem entregues, novas parcerias serão firmadas. Exemplo disso é a Fundação Municipal de Cultura (FMC), que trará novas atividades, como Contação de Histórias e Biblioteca Comunitária, e a Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, que irá oferecer oficinas de implantação de hortas comunitárias. A expectativa é de que, com a expansão do Centro, a capacidade de atendimento dobre em todas as vertentes, potencializando as oficinas existentes e agregando novas ofertas.
 
 

19/07/2017.CRPI-Centro de referencia da pessoa idosa.Fotos;Debora Oliveira