Pular para o conteúdo principal

Grupo de teatro da SLU se apresenta. Atores estão vestidos de gari.
Foto: Divulgação/PBH

BH em Pauta: A arte da limpeza

09/06/2017 | 16:23 | atualizado em 14/06/2017 | 14:32

Diariamente, técnicos e estagiários da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) saem às ruas para dialogar com a população, a fim de sensibilizar as pessoas sobre atitudes que fazem toda a diferença quando o assunto é limpeza urbana. É o trabalho de Mobilização Social e Educação Ambiental promovido pela autarquia desde 1993, quando foi criado o Departamento de Políticas Sociais e Mobilização (DPPSM-SLU).


Sob a concepção de que limpeza urbana é muito mais que limpar a cidade, mas também garantir a cooperação das pessoas para a manutenção do trabalho realizado e do bem-estar de todos, a Mobilização está presente em eventos e campanhas educativas junto a moradores e comerciantes. 


A equipe técnica da Mobilização é multidisciplinar, com experiência de até 20 anos em mobilização social e educação ambiental. Os profissionais têm formação em nível superior nas áreas de Sociologia, Psicologia, Geografia, Ciências Políticas, Relações Públicas e Direito, e em Meio Ambiente, no nível médio.


Uma das intervenções mais significativas é a apresentação de histórias ao som de um violão para as crianças das Unidades de Educação Infantil da Prefeitura (Umeis), em parceria com a Fundação Municipal de Cultura (FMC) nos centros culturais da cidade.   


O gari Daniel Rosa, o conhecido Daniel do RAP, uma das figuras mais carismáticas dos eventos da SLU, também dá o recado por meio de performances voltadas para um público mais adolescente. “Participo dessas ações há 15 anos e agora estou me aprimorando por meio de aulas de dança contemporânea. Assim, espero me comunicar ainda melhor, explorando mais meu corpo, para levar educação com a expressão da arte.” 


Laerte Gonçalves Pereira, morador da Vila Acaba Mundo, na região Centro-Sul da capital, comemora os resultados da ação de mobilização social realizada no mês passado na comunidade. Ele conta que as atividades foram além da limpeza, pois trabalharam a recuperação de nascentes com a distribuição de mudas de plantas e material educativo impresso. 


“Os efeitos dessa interação com a equipe de garis e com os educadores ainda são visíveis porque ruas, becos e vielas estavam abarrotados de lixo descartado fora do dia e horário de recolhimento”, disse ele. 


Marcos Antônio Crispim, morador do Alto Vera Cruz, na região Leste da cidade, informou que havia uma grande deposição clandestina de resíduos perto de uma creche e de um posto de saúde. Além disso, segundo ele, o lixo de um supermercado descartado em horário incorreto atraía mais sujeira para o local. “A situação ficou tão grave que uma rua foi completamente tomada pelo lixo, impossibilitando a passagem de veículos”, enfatiza. Crispim acredita que o trabalho de sensibilização precisa ser constante, principalmente junto às crianças, para que se tornem adultos mais conscientes e cuidadosos com o meio ambiente.



Teatro 

 

09/06/2017. Mobilização Social - Limpeza e participação social. Fotos: Divulgação/SLU



Vanúzia Gonçalves Amaral, chefe do departamento de Mobilização da SLU, explica que as atividades buscam formar cidadãos ambientalmente educados para a limpeza urbana. “Queremos que a sociedade reflita e pratique ações que traduzam essa união de esforços, ambicionando um resultado comum, ou seja, uma cidade limpa e saudável.” 


A chefe destaca que as atividades, considerando as etapas de concepção e planejamento, incluem a realização de campanhas educativas, diagnósticos participativos, vistorias, cursos, palestras, oficinas, visitas técnicas e arte-educação, nos mais diversos segmentos sociais e setores profissionais, atingindo públicos de todas as idades. 


O aprimoramento técnico dos integrantes do grupo ocorre por meio de capacitações. Uma das parcerias para o desenvolvimento artístico da equipe foi firmada com a Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte, para a contação de histórias, o que acaba contribuindo também para o desenvolvimento das habilidades teatrais.


Caroline Cunha, técnica em meio ambiente na Mobilização e integrante do grupo de teatro da SLU, conta que, logo ao ingressar na instituição, em 2014, já se identificou com a proposta de atuação nos projetos educativos. “Nas intervenções teatrais, dialogamos com o público sobre algo motivador, capaz de promover mudanças de comportamento pela educação ambiental”, diz. 


Ainda, segundo ela, o teatro não é um trabalho desconectado das demais ações de Mobilização, integrando-se às palestras, exposições e oficinas, como ferramenta fortalecedora das demais atividades. “Logo cedo é necessário despertar o olhar dos pequenos para a temática dos resíduos, abordando assuntos como consumo consciente e a ideia de que o lixo deve ser descartado sempre no lugar certo; tudo isso por meio de uma linguagem lúdica, pautada no entretenimento e na educação ambiental”, afirma ela.