Pular para o conteúdo principal

Seminário de Segurança Alimentar e Nutricional

atualizado em 29/10/2019 | 16:16

 

banner do 1º Seminário Internacional e 3º Seminário Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Sistemas Alimentares para um mundo sem fome

Inscrições encerradas 

Promovido pela Prefeitura de Belo Horizonte, em parceria com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - FAO Brasil; Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos - ONU Habitat e Governos Locais pela Sustentabilidade - ICLEI. 
 

O Seminário busca:

 

• Fortalecer a Agroecologia como estratégia de promoção da gastronomia e de sistemas alimentares metropolitanos;
• Promover trocas de experiências e divulgação de conhecimentos;
• Promover formação continuada e qualificação dos servidores/as públicos;
• Apresentar e divulgar experiências exitosas de políticas públicas;
• Fortalecer a cooperação na rede metropolitana para a promoção de Sistemas Alimentares Agroecológicos articulados a Gastronomia;


Será realizado nos dias 31 de outubro e 1º de novembro de 2019, na sede da Prefeitura Municipal (Avenida Afonso Pena, 1.212 - Centro, Belo Horizonte - MG).

 

PROGRAMAÇÃO:

31/10 - quinta-feira

 

10h | Diálogos Gastronômicos

13h30 | Abertura: Política Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Belo Horizonte

14h30 | Painel I: Nossas Ações são Nossos Futuro - Alimentação Saudável para um Mundo sem Fome

17h | Relatos de Experiência: apresentação em banners

 

1º/11 - sexta-feira

9h | Painel: Leituras Agroecológicas - Gastronomia e Sistemas Alimentares Metropolitanos

14h | Sessão Temática I: Gastronomia e Acesso a mercados

14h | Sessão Temática II: Gastronomia, Agroecologia, Agricultura Urbana e Familiar

14h | Sessão Temática III: Gastronomia e Cultura Alimentar

14h | Sessão Temática IV: Gastronomia e Políticas Públicas

14h | Apresentação de trabalhos acadêmicos na modalidade Resumos Expandidos

 

 

• Feira da Agricultura Familiar e Urbana Agroecológica

31/10 (quinta-feira) - 9h às 17h

1º/11 (sexta-feira) - 9h às 15h

Local: Rua Goiás, entre Avenida Álvares Cabral e Rua da Bahia 

Produtos: folhosas, pancs, cereais, compotas, quitandas e muito mais!

 

• Feira Gastronômica Cultural

1º/11 (sexta-feira) - a partir das 17h

Produtos: comercialização de salgados, comida baiana, milho verde, comida mineira, churrasco, porções e bebidas.

Local: Rua Goiás, entre Avenida Álvares Cabral e Rua da Bahia

 

• Tenda de Promoção da Saúde

31/10 (quinta-feira) - 9h às 17h

1º/11 (sexta-feira) - 9h às 15h

 

• Palco Cultural

1º/11 (sexta-feira) - a partir das 17h

________________________________________________________________________________________

Fome é substantivo feminino. 


Significa, de acordo com o dicionário, (1) desejo ou necessidade urgente de alimento; sensação causada pela necessidade de comer; grande apetite; apetência. (2) Estado de fragilidade provocado pela falta prolongada de alimento; carência alimentar; desnutrição, subalimentação, subnutrição. (3) Situação de escassez de víveres; indigência, miséria, penúria.
Fome diz da necessidade de comer, mas diz também da dificuldade em ter acesso a alimentos adequados. Josué de Castro escreveu que a fome é uma produção social e econômica, é a expressão biológica de males sociológicos. “Existem duas maneiras de morrer de fome:
não comer nada e definhar de maneira vertiginosa até o fim, ou comer de maneira inadequada e entrar em um regime de carências ou deficiências específicas.”

Comer é um direito humano, contemplado na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A alimentação adequada é direito fundamental, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos direitos consagrados na Constituição Federal, devendo o poder público adotar as políticas e ações necessárias para promover e garantir a segurança alimentar e nutricional da população. (Art. 2º da Lei 11.346).

“A soberania começa pela boca”, diz Eduardo Galeano em As Veias Abertas da América Latina. Em nossa Constituição, a soberania alimentar diz do direito dos povos de decidir sobre os seus próprios sistemas alimentares, com alimentos saudáveis, produzidos de forma sustentável e com respeito à biodiversidade e ao ser humano. (Art. 5° 11.346.)

A segurança alimentar e nutricional consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente  sustentáveis. (Art. 3º da Lei 11.346)