Pular para o conteúdo principal

Grupo de Combate à Importunação Sexual no Transporte Público

Guarda Municipal entrega folheto a uma mulher na rua
atualizado em 03/12/2019 | 16:32

O Grupo Contra o Assédio Sexual a Mulheres no Transporte Público foi criado em setembro de 2018 para incentivar as vítimas a denunciarem os abusadores, já que a subnotificação era muito alta. A campanha educativa desenvolvida pelo grupo distribuiu mais de três mil apitos e de quatro mil cartilhas, durante as ações realizadas pelas agentes femininas da Guarda Civil Municipal e da BHTrans em estações do BHBus, praças, nos diversos departamentos da Prefeitura  e em empresas que prestam serviços para o município. Houve ainda abordagens nas plataformas de embarque do metrô, sendo estas realizadas em parceria com as agentes de segurança da CBTU.

 

O objetivo é divulgar a estrutura disponibilizada para garantir à mulher o apoio necessário por parte da Guarda Municipal, da BHTrans e do Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH), para o registro da denúncia e encaminhamento do acusado de importunação sexual à Delegacia de Mulheres.

 

Botão do Assédio

O projeto teve início com treinamento de operadores dos ônibus, seguido pela implantação do botão do assédio, que passou a funcionar nos coletivos, no início de novembro. O dispositivo foi instalado pelo Consórcio Operacional de Transporte Coletivo de Passageiros por Ônibus do Município de Belo Horizonte (Transfácil).

 

Após o botão ser acionado pelo motorista, a empresa consulta o GPS para saber a localização exata do veículo e aciona o COP-BH, que envia a viatura da Guarda Municipal ou da Polícia Militar, mais próxima para que os agentes interceptem o ônibus e conduzam os envolvidos à Delegacia de Mulheres. Esse processo tem ocorrido, em média, em apenas 10 minutos.