Pular para o conteúdo principal

Radar Fixo e Radar Estático

atualizado em 06/02/2018 | 11:34

Radar Fixo - A utilização dos controladores eletrônicos de velocidade do tipo Radar Fixo é considerada um dos meios mais eficazes e confiáveis para a redução do número de acidentes e do grau de severidade. Promove a segurança 24 horas por dia, nos 365 dias do ano, de forma a garantir que as velocidades máximas regulamentadas sejam efetivamente respeitadas, contribuindo para o aumento da segurança de pedestres e motoristas, através da redução do risco potencial de acidentes.

 
Radar Estático - Estes controladores também exercem o controle de velocidade. Porém, de forma complementar aos Radares Fixos, ou seja, em locais não abrangidos pelo Radar Fixo.
Estão amparados pela Resolução 396/2011 do CONTRAN, a qual determina os requisitos mínimos para a utilização destes equipamentos, tais como:

 

Característica Radar Fixo Radar Estático
Homologação e operação Endereço por ponto Fiscalizado Nas vias do município de BH
Estudo Técnico Realização de Estudo Técnico, para cada local a ser fiscalizado 1 Não é necessário estudo técnico
Modo de Captura Laços magnéticos de detecção Princípio Doppler (ondas)
Distância de operação Não há distância entre um e outro equipamento Só pode operar a pelo menos 500 metros de onde há um Radar Fixo
Sinalização Placa R19, ou na sua ausência, pelos limites definidos no art. 61 do CTB. Apesar, de não ser mais necessária a placa indicativa de Fiscalização eletrônica, a BHTrans as implanta em todos os locais fiscalizados
Verificação Metrológica Deve ser verificado pelo INMETRO ou entidade por ele delegada, obrigatoriamente com periodicidade máxima de 12 (doze) meses e, eventualmente, conforme determina a legislação vigente
1  Estudos técnicos estão disponíveis na sede da BHtrans, podendo ser consultado por qualquer pessoa, de 09:00 às 17:00 h, na Av. Engº Carlos Goulart, nº 900, Bairro Buritis.

 

Os principais fatores analisados para a implantação destes equipamentos são: frequência; histórico e gravidade dos acidentes de trânsito; Fluxo de Veículos e de pedestres; Presença de polos geradores de pedestres; geometria e ocupação da via, além do comportamento dos usuários no trecho.

 

Motocicletas – Os controladores são capazes de identificar e registrar qualquer veículo, independentemente de seu tamanho. Ou seja, motocicletas em situação de infração são capturadas normalmente.

 

Captura – Caso haja dois veículos transitando em velocidades acima da permitida, em faixas colaterais, os dois serão capturados pelo sistema, haja vista que existem laços e câmeras independentes, afim de evitar quaisquer dúvidas quanto à correta identificação do veículo infrator.

 

Ambulância – Caso uma ambulância transite acima da velocidade permitida, ela não será autuada, uma vez que se trata de veículo em serviço de emergência amparada pelo estabelecido pelo art. 29 do CTB.

 

Tolerância de velocidade – Por se tratar de equipamentos eletrônicos metrológicos, o INMETRO determina, em sua portaria 115/98 os erros máximos admitidos para medição em serviço de 7 Km/h para velocidades até 100 Km/h e 7% para velocidades acima de 100 Km/h (regulamentação de velocidade máxima, placa R19).

 


Clique aqui para consultar os dados referentes à validade dos equipamentos de fiscalização eletrônica / radares de velocidade.