Pular para o conteúdo principal

CANDIDATURA DE BELO HORIZONTE - Rede de Cidades Criativas da UNESCO, pela Gastronomia

Imagrem traz a frase: Cidade Criativa Gastronomia
Foto: Divulgação PBH
atualizado em 18/11/2020 | 14:19

A gastronomia é influenciadora da arte, da cultura dos povos, da ciência, da economia e ainda da saúde. Atualmente, entendemos que uma relação estreita entre gastronomia e turismo é essencial para oferecer experiências e autenticidade aos locais visitados. De acordo com o primeiro Relatório Global sobre Turismo Gastronômico publicado pela OMT em 2017, 88,2% dos destinos consideram a gastronomia como um elemento estratégico para definir sua imagem e sua marca.


A gastronomia é, portanto, um agente de mudança e transformação socioeconômica, tecnológica e cultural, que bem planejada e em sintonia com os setores correlatos, dentre eles o turismo, promove o desenvolvimento sustentável das localidades, além de posicionar o destino como polo gastronômico de relevância.


Belo Horizonte tem na gastronomia um dos seus principais ativos. Com tamanha diversidade, a cultura gastronômica Belo Horizontina vai muito além dos estereótipos. Um exemplo disso são as políticas municipais em relação à Segurança Alimentar, que foi implementada na década de 90 e serviu de exemplo para todo o Brasil. Nossa atuação hoje propõe um novo ciclo de inovações, que busca fortalecer programas tradicionais cujos resultados são largamente reconhecidos nacional e internacionalmente.


Uma das principais frentes de trabalho é a consolidação de um sistema que garanta o acesso ao alimento e fomente a produção, a comercialização e o consumo de alimentos agroecológicos. Esse desafio se desdobra em diversas frentes de atuação, como a assistência alimentar para escolas e rede socioassistencial e a oferta diária de refeições subsidiadas nos restaurantes populares. Para isso, foram estabelecidas ações de fomento em apoio à agricultura familiar, urbana e agroecológica. Outra aposta da cidade é ainda na educação alimentar e nutricional, difundindo conhecimentos gastronômicos fundamentados em práticas alimentares saudáveis.

 

Assim, Belo Horizonte está empenhada em construir um programa de ações públicas em parceria com a cadeia produtiva, que abarque a gastronomia e a cultura alimentar e que promova o desenvolvimento do setor no contexto da economia criativa.

 

Diante de toda essa riqueza, aliada à história, diversidade e ampla oferta e objetivando promover este importante segmento, foi elaborado sob coordenação da Belotur um Programa que propõe posicionar Belo Horizonte e região como Polo Turístico Gastronômico de relevância, através de ações de resgate de produtos e ingredientes, da oferta de roteiros de experiência, da valorização da gastronomia mineira, que promova a cultura, que valorize os modos de fazer e saberes, que eleve a autoestima da comunidade, que crie novas oportunidades de negócios, empregos e renda com o envolvimento de toda a cadeia produtiva do município e circuitos limítrofes, além da integração dos setores correlatos.


Em busca de reconhecimento a todas estas iniciativas, da seara pública e privada, uma das ações estratégicas é a candidatura de Belo Horizonte junto à Rede das Cidades Criativas da UNESCO, pela Gastronomia. Trata-se de um processo de construção coletiva da cadeia produtiva onde a Prefeitura de Belo Horizonte é a principal articuladora e intermediadora junto à UNESCO.


Assim, em 16 de outubro de 2018, no auditório da Prefeitura de Belo Horizonte, foi realizado um Encontro, na qual o Peru e as Cidades Criativas da Gastronomia pela UNESCO Brasileiras compartilharam suas melhores práticas que fizeram da criatividade um componente essencial do desenvolvimento urbano por meio de parcerias entre os setores público e privado e a sociedade civil. Na ocasião, foi lançada a candidatura de Belo Horizonte junto à UNESCO, em reconhecimento da gastronomia como destaque que passa a constituir não apenas um atrativo, mas também um importante segmento da oferta turística da cidade, além de ser fator de integração entre turistas e comunidade local.

 

Sobre as Cidades Criativas da UNESCO


Desde 2004, a Rede de Cidades Criativas da Unesco ressalta a criatividade de seus membros dentro de sete áreas temáticas: Artesanato e Artes Folclóricas, Design, Cinema, Gastronomia, Literatura, Artes Midiáticas e Música.


Atualmente, conta com um total de 180 cidades em 72 países, oito delas no Brasil: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), no do design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema.

 

O programa tem o objetivo de promover a cooperação internacional entre cidades que investem na cultura e na criatividade como fatores de estímulo ao desenvolvimento sustentável. Para integrar a rede, a cidade deve preparar um plano de desenvolvimento no campo criativo em que a cidade se candidatou. O processo de seleção é feito por dois comitês: um técnico, com representação em cada categoria, designado pela Unesco; e um comitê de representantes das cidades já integrantes da Rede, em cada categoria.


A candidatura deve demonstrar, de forma clara e prática, a disposição, o compromisso e a capacidade da localidade em contribuir com os compromissos da Rede. É preciso ainda apresentar um plano de ação realístico, incluindo detalhamento de projetos, iniciativas e políticas a serem executadas nos quatro anos seguintes à admissão ao programa.


Em 2019, apenas duas cidades serão contempladas com o título. Diante desse desafio, o esforço para que a candidatura seja bem-sucedida inclui o engajamento de todos os atores da cadeia turística e gastronômica da capital mineira. Nesse processo, não só a união faz a força, mas todos ganham.

 

Editais


Seleção de trabalhos acadêmico-científicos para composição de Livro Digital do Projeto “Dos Sabores aos Saberes: Discussões acerca da Gastronomia em Belo Horizonte e Minas Gerais”